Médico Indigena É Cotado para Assumir Chefia do Dsei de Salvador Bahia
Publicado em sexta-feira, 28 de janeiro de 2011


Edvaldo de Jesus Santos Pataxó, índio da etnia Pataxó Hã Hã Hãe, formado
em medicina na Escola Latinoamericana de Medicina em Cuba. Recebeu indicação de algumas Lideranças Indígenas para assumir o Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI)- Salvador Bahia. A noticia foi uma surpresa para ele, mas conhecendo a luta e a realidade dos Povos Indígenas da Bahia, o mesmo se colocou a disposição para encarar os desafios com o objetivo de melhorar a qualidade da saúde nas aldeias, mais que todas lideranças tradicionais, caciques, pajé do estado tenha conhecimento de seu perfil e com isso apoiá-lo. " Fico triste em ver o nosso Povo Indígena sofrendo as conseqüências de uma saúde má administrada pelos gestores, parentes morrendo a minguá e passa por despercebido sem nenhuma providencia… gestor que ficam omissos aos apelo das lideranças tradicionais…" . Dr. Edvaldo conhece e vive esta realidade na pele, pois mora dentro da aldeia e com seus conhecimentos na área da medicina, sendo o primeiro índio a se graduar em medicina no estado da Bahia, é um bom perfil para pleitear a vaga de chefe do DSEI.
Esta na hora de nós indígenas ocupar os cargos na esfera do Governo Federal, Estadual e Municipal, designados aos índios, já que temos índios graduados, que conhece e vive a realidade das comunidades indígenas e que são capazes de administrar junto ao governo como meio de inclusão e integração social dos povos indígenas. Precisamos que essa informação chegue até os 14 povos do Estado da Bahia, para que os mesmos possam apoiar o parente que é medico e esta convicto de trabalhar em prol da causa indígena na área da saúde.

Veja mais informações sobre Dr Edvaldo Pataxó, no periodo em que
estudava em Cuba.

Sou Edvaldo de Jesus Santos Pataxó, filho de José Hamilton (não índio) e Judite Pataxó (índia). Minha mãe é índia do grupo Kariri Sapuyá que junto a mais 4 grupos étnicos (Baenã, Camacã, Pataxó, Tupinambá) deram origem ao atual povo Pataxó Hã Hã Hãe, residimos no Posto Indígena Caramuru (…) FRAGMENTOS DA NOSSA DOLORIDA HISTÓRIA Devido o processo de invasão do nosso território, hoje chamado Brasil, na qual vitimaram muitos dos nossos povos e tribos inteiras deixaram de existir Consideramos que as nossas terras foram duplamente invadidas; primeirocom a chegada dos portugueses em 1500 e segundo, depois que alei brasileira delimitou um território para que os índios pudessem sobreviver, no caso do meu povo uma área de 54.100 hectares, e este, mais uma vez foi invadido por fazendeiros da região e expulsando os índios para longe delas. Muitos dos índios, os que lograram sobreviver, se refugiaram nas cidades circunvizinhas e outros, chegaram a sair até mesmo fora do estado da Bahia, no caso da família do Galdino que foram para o Paraná. Estes foram obrigados a adaptar-se a uma nova cultura e sistema de governo totalmente oposto aos seus. Mesmo distante de suas terras, nossos anciões não perderam as esperanças de um dia ver o seu povo reunidos novamente e para isso os mais velhos se reuniam periodicamente e traçavam metas para continuar lutando. Estas reuniões culminou com inúmeras viagens ao Rio de Janeiro para falar com o então presidente do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) que muito prometia e nada fazia. Como exemplos destes guerreiros têm o senhor Desidério (meu avô), Bite, Samado, Camilo, Katunga, dentre outros. Em 1982 conseguimos retomar uma pequena parte das terras que tradicionalmente nos pertence.
Meu avô Desidério que havia refugiado no município de Pau Brasil juntamente com os seus cinco filhos (Iraci, Laura, Aureliano, Judite e Senhorinho) ao retornar para a aldeia todos já havia casados com pessoas não índia. No caso da minha mãe regressou com seis filhos e teve mais dois na aldeia. Quando cheguei na aldeia tinha apenas quatro anos e desde então, mesmo com a intensificação das práticas de violências por partes dos fazendeiros da região contra a nossa gente eu continuava decidido a estudar.


OS ESTUDOS

Iniciei meus estudos na escola da aldeia. Durante este período as dificuldades era com respeito a precariedade das sala de aula, falta de material didático e carência de professores pois nenhum não índio queria viver na aldeia. Foi então que chegou a professora índia Maria Muniz e começou a lesionar em nossa escolar. Ao terminar a 4ª série tive que dar continuidade aos meus estudos no ginásio da cidade de Pau Brasil. Ai sim foi dureza, pois os desafios eram grandes, tal como: 01 – A distância entre a aldeia e a cidade é de 5km e diariamente tinha que fazer este percurso a pé e a noite o que aumentava o risco de sofrer quaisquer tipo de violência; 02 – O preconceito e a discriminação na cidade era tão grande, que em épocas anteriores chegaram a não aceitarem a matricula de estudantes índios no ginásio da cidade(no caso de Margarida Pataxó e Agnaldo Pataxó); 03 – Um número considerável de índios se matriculava e pouquíssimos lograva concluir o ano letivo. 04 – Por não termos nenhum local para o asseio, banhávamos e trocávamos de roupa em um córrego antes de chegar na cidade; 05 – Em períodos de chuva chegávamos no colégio totalmente molhados e enlameados; 06 – Por estarmos em processo de reconquista do nosso território através de retomadas, nossa presença na cidade era considerado um insulto, pois éramos considerados invasores de nossa própria terra; 07 – Uma coordenadora do colégio em que estudamos (Gildinai), sensibilizada com a nossa situação disponibilizou de sua residência para que pudéssemos pernoitar. Por este ato solidário, passou a ser ameaçada de morte, inclusa chegou a ser interceptada por fazendeiros fortemente armados em plena praça pública quando se dirigia ao colégio, acompanhada de alguns estudantes índios; 08 – Um ônibus que foi destinado pela FUNAI para o transporte escolar indígena foi apedrejado quando nos transportava desde o colégio na cidade até a aldeia; 09 – Um carro Kombi que prestava serviço para a saúde e que neste dia o cacique Gerson havia destinado para o nosso transporte, esta foi queimada enfrente ao colégio quando nos aguardávamos; 10-… Muitos foram as dificuldades que enfrentei para poder estudar mais nenhuma desta foram forte o suficiente para fazer-me desistir dos meus objetivos. Com muito sacrifício, terminei o 2º grau em 1999 e pensava em cursar uma universidade, quiçá direito, pedagogia, medicina ou qualquer outra carreira desde quando fosse de grande utilidade para a minha comunidade.


ESTUDAR MEDICINA EM CUBA

Em 2000 conseguir através do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e a noticia chegou até a mim através da liderança Luiz Titia que havia vaga para poder estudar medicina na Escola Latino-americana de Medicina (ELAM) em Cuba, projeto criado pelo nosso comandante Fidel Castro. Para mim foi uma oportunidade de ouro, porém aceita-la foi um tanto difícil, pois tinha que ausentar da minha terra mãe e do meu povo por mais de anos, ademais, em um pais tão distante, com costumes e tradições totalmente distinto dos nossos. Contudo, aceitei o desafio e em fevereiro de 2001 zarpei rumo a essa pequena ilha na América Central, consciente da minha responsabilidade perante o meu povo de velar pela saúde destes que a mais de 500 anos vem sendo vítimas das diversas formas de violências e de inúmeras doenças que ainda são desconhecidas pelos mais sábios da aldeia (pajé). Quando for médico, possuindo tanto o conhecimento da medicina convencional quanto a tradicional, pretendo desenvolver um trabalho médico direcionado à prevenir e curar as doenças que muito afeta a minha comunidade bem como dar ênfase à medicina natural Pataxó Hã Hã Hãe como forma de preservar a nossa cultura e meio alternativa por falta de uma política de saúde séria por parte dos governantes do nosso País que realmente satisfaça o interesse dos povos indígenas como um todo. Vivo em Cuba há 5 anos e apesar das dificuldades que enfrento no âmbito financeiro para custear passagens, aquisição de material didático, higiênico, pessoal e de apoio, bem como escassez de comunicação com os meus familiares e comunidade em geral, sigo convicto de realizar um sonho tanto meu quanto do meu povo de graduar-me e retornar para a minha aldeia. Um abraço índio a todos.

Edvaldo de Jesus santos Pataxó Email:
brasil3@giron.sld.cu Havana-Cuba,
15 de janeiro de 2006


REGRESSO DE CUBA

Com muito sacrifício consegui concluir o curso de medicina em Cuba e retornei para a minha aldeia em 2007 onde permaneço até então com o meu diploma de MEDICO mais ainda não conseguir exercer a minha profissão.
Com essa oportunidade de assumir a chefia do DSEI de Salvador terei a oportunidade de colocar em pratica o conhecimento médico que adquirir com muito sacrifício em Cuba. Mais para isso preciso do apoio das comunidades indígenas do Estado da Bahia, Lideranças Indígenas, entidades indigenistas, políticos que apóiam a causa indígena e outros. Acredito que tenho muito a colaborar para a saúde dos Povos Indígenas do Estado da Bahia.

Veja links relacionado a Dr Edvaldo.

http://www.indiosonline.org.br/novo/o_futuro_medico_pataxo_ha_ha_hae_1/

http://pib.socioambiental.org/en/noticias?id=5391

Publicado por:

Fabio Titiá - escreveu 34 matérias no Índios Online.

Sou indio Baenã Hãhãhãe, que junto com outras etnias formamos o Povo Pataxó Hãhãhãe. Gosto de escrever sobre os meu povo e também adoro expor meus pensamentos, ou seja, gosto de escrever texto espirituais, poemas e de reflexão. Sou casado, tenho 3 filhos, amo muito toda a minha familia.
Tenho um sonho de um dia escrever um livro contando a historia do meu
povo.

Fonte: http://www.indiosonline.org.br/novo/

 

 


 

 

 

 

 
 

 

Voltar

- Copyright 2010- ANAI - Todos os direitos reservados - webmaster@anai.org.br -
Rua das Laranjeiras, n° 26, 1° andar, Pelourinho- CEP: 40026-700
Salvador - Bahia - Brasil
Tel. Fax: 0**71 3321.0259 - Email: anai@anai.org.br
- VONO: 71. 4062.9029 -